Main Slider

Estado confirma que PS do Hospital de Cotia atenderá de portas fechadas a partir de fevereiro

Com a mudança, pacientes deverão procurar os primeiros atendimentos na rede municipal de saúde.

Foto: Neto Rossi / Cotia e Cia


A Secretaria de Estado da Saúde confirmou que o pronto-socorro do Hospital Regional de Cotia (HRC) atenderá, a partir de fevereiro, com as portas fechadas. Ou seja, a partir do mês que vem, pacientes que eventualmente precisarem de atendimento médico pré-hospitalar deverão procurar alguma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Cotia. 

Segundo funcionários da unidade, a medida não vale para casos de transferências ou quando os pacientes forem encaminhados por ambulâncias. 

Em nota enviada ao Cotia e Cia na noite desta quarta-feira (20), a secretaria explicou que a mudança ocorrerá devido ao agravamento das infecções causadas pela Covid-19. Por este motivo, segundo a pasta, o PS do hospital passará “por readequação de seu perfil assistencial” e se tornará referência para casos da doença. 

“A Secretaria de Estado da Saúde tem atuado para salvar vidas e combater a pandemia de COVID-19. Com o recrudescimento da doença, o pronto-socorro do Hospital Regional de Cotia passa por readequação de seu perfil assistencial e torna-se referenciado para casos da doença a partir de fevereiro”, informou a secretaria (confira no final do texto a nota da Secretaria de Estado da Saúde na íntegra). 

A informação sobre a mudança que passará o pronto-socorro da unidade já havia sido adiantada em primeira mão pelo Cotia e Cia na tarde de ontem (VEJA AQUI)

A reportagem ouviu profissionais da saúde do HRC que estão apreensivos diante da situação. Alguns já foram até demitidos, inclusive. 

No entanto, o motivo da mudança, segundo os funcionários da unidade, seria outro. De acordo com eles, o governo de São Paulo teria reduzido o valor do contrato com o Seconci, entidade responsável pela gestão da unidade em parceria com o estado. 

Outra questão trazida pelos profissionais é de que o governo de Cotia já estava ciente da mudança desde novembro e teria pedido um prazo de três meses para readequar as UPAs. Cotia e Cia questionou a Secretaria de Estado da Saúde para confirmar essa informação, mas não conseguiu retorno até o fechamento desta reportagem. 

COMO FICARÃO OS ATENDIMENTOS NAS UPAs DE COTIA? 

Por meio da assessoria de imprensa da Prefeitura de Cotia, a reportagem fez dois questionamentos para a Secretaria Municipal de Saúde na noite de ontem: 

1 - A Prefeitura de Cotia e a Secretaria de Saúde já tinham ciência dessa mudança? Chegou em nós que o Estado já tinha comunicado o governo municipal há 3 meses - prazo que a prefeitura pediu para ter tempo hábil para planejar uma restruturação das unidades de saúde do município. Procede? 

2 - Como o governo municipal vai agir diante dessa mudança? Sabemos que as UPAs já são saturadas pelos atendimentos que prestam. Como essas unidades vão ficar diante deste cenário? Já tem alguma ideia / plano? 

Até às 11h desta quinta-feira (21), a pasta não havia respondido. Caso haja retorno, ele será acrescentado neste texto. 

NOTA DA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE 

A Secretaria de Estado da Saúde tem atuado para salvar vidas e combater a pandemia de COVID-19. Com o recrudescimento da doença, o pronto-socorro do Hospital Regional de Cotia passa por readequação de seu perfil assistencial e torna-se referenciado para casos da doença a partir de fevereiro. A partir disso, o fluxo de ingresso de todos os pacientes se dará a partir da rede primária de saúde. A Secretaria mantém uma estratégia especial de gestão de leitos hospitalares, para dar prioridade à internação de pacientes com quadros respiratórios agudos e graves, com suporte da Cross (Central de Regulação e Oferta de Serviços de Saúde) para as transferências. 


Reportagem de Neto Rossi