Main Slider

Internos denunciam maus-tratos e dizem que tomavam medicamentos irregulares em clínica de recuperação

A Comunidade Terapêutica Shallom Adonai já havia sido denunciada há um ano e estava impedida pela Justiça de continuar exercendo as atividades; MP investiga se a clínica descumpriu a ordem judicial

Entrada da clínica Shalllom Adonai, em Caucaia. Foto enviada ao Cotia e Cia 



A Comunidade Terapêutica Shallom Adonai, uma clínica de recuperação de dependentes químicos, localizada no distrito de Caucaia do Alto, em Cotia, está sendo novamente acusada de maus tratos com os internos.

Na tarde desta quarta-feira (14), policiais civis da Delegacia de Cotia compareceram ao local junto com agentes da prefeitura, Conselho Tutelar e Ministério Público para fiscalização.

A Shalom Adonai já havia sido fechada pela justiça no ano passado, por estar funcionando de maneira irregular e também após denúncias de maus tratos e tortura. O Ministério Público investiga se a clínica descumpriu a ordem judicial ou se outras pessoas assumiram a gestão do espaço.

A polícia disse que, ao chegar no local nesta quarta, teve contato com diversos internos. Três deles, um de 42, outro de 36 e outro de 22 anos, foram levados até a Delegacia de Cotia e relataram os maus-tratos e as torturas que sofriam lá dentro.

Os três rapazes também contaram à polícia sobre as condições precárias de higiene e alimentação. Eram os próprios internos, segundo os depoimentos, que realizavam a limpeza e as refeições.

Ainda de acordo com a denúncia, eles disseram que não eram atendidos por médicos, terapeutas e nem psicólogos e, quando precisavam de atendimento, tinham o pedido negado pelos funcionários.

Os depoimentos ainda revelam que os internos eram medicados sem prescrição médica. No local, a polícia apreendeu diversas caixas de medicamentos acondicionados de forma irregular.

Cotia e Cia apurou que a ação de ontem foi uma ordem de constatação para saber se a Shalom Adonai ainda estava exercendo as atividades. Assim que as equipes chegaram ao local, não foi apresentada nenhuma documentação que comprovasse que se tratava de outra unidade terapêutica, já que a Shalom, por ordem da Justiça, não poderia estar de portas abertas.

De acordo com apuração da reportagem, alguns internos foram encaminhados para outra clínica em Caucaia do Alto, que possui convênio com a Prefeitura de Cotia. Procurada, a prefeitura não se manifestou até o fechamento desta reportagem.

Cotia e Cia não conseguiu localizar o proprietário da comunidade terapêutica.

Clínica acusada de dar choques e pauladas

Em julho do ano passado, o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo determinou o fechamento da Comunidade Terapêutica Shallom Adonai após uma série de denúncias, que envolvem tortura, maus tratos, lesões corporais e abuso sexual, que teriam sido praticados principalmente contra adolescentes.

Na ocasião, a clínica abrigava 50 pessoas, vindas de diferentes estados do país, em tratamento contra a dependência química e transtornos mentais. Dessas, 41 eram adolescentes.

Segundo denúncias apresentadas ao Conselho Tutelar e levadas ao Ministério Público, a clínica mantinha os adolescentes em cárcere privado; para “manter a disciplina” no local, internos que cometessem alguma falta eram levados à temida sala 11, conhecida como “sala de disciplina”, onde eram espancados com um pedaço de madeira apelidado pelos funcionários de “Chico Doce”.

Além das pauladas, os relatórios da época também apontavam que os funcionários usavam uma arma taser para aplicar choques elétricos nos internos, apagavam cigarros nas cabeças deles, davam golpes de estrangulamento e usavam travesseiros molhados para sufocá-los.

O relatório apontava ainda que os dormitórios dos internos tinham travas do lado de fora, para mantê-los presos, e também mencionava que os funcionários incitavam brigas entre os adolescentes, amarrando-os juntos com cordas.

Reportagem: Neto Rossi