Main Slider

Covid-19: Cotia aplicou apenas 60,8% das doses recebidas e está entre as últimas cidades no ranking de SP


Município recebeu 30.247 doses e aplicou apenas 18.407, segundo o governo de SP


A cidade de Cotia recebeu até agora 30.247 doses de vacina contra a Covid-19, mas aplicou apenas 18.407 delas, o que corresponde a 60,8%. A quantidade aplicada faz com que o município ocupe a 637ª colocação no ranking entre as 644 cidades do estado de São Paulo*

Os dados, disponibilizados pelo governo de São Paulo pela plataforma do ‘vacinômetro’, começaram a ser divulgados nesta quinta-feira (8). A ferramenta digital, desenvolvida em uma parceria entre as secretarias estaduais de Comunicação, Saúde, Desenvolvimento Regional e a Prodesp, permite a qualquer pessoa acompanhar em tempo real o número de vacinados.

Na região, o município que mais aplicou a vacina foi Barueri, com 94,4%. Jandira aparece na sequência, com 76,9% das doses aplicadas (confira a relação entre as cidades da região abaixo).

Barueri – 94,4%

Jandira – 76,9%

Osasco – 76,2%

Carapicuíba – 72,6%

Itapevi – 70,5%

Vargem Grande Paulista – 68,4%

Cotia – 60,8%

As informações do portal são atualizadas diariamente, com base nos números alimentados pelos municípios. Apenas a cidade de Serrana foi excluída deste ranking devido o Projeto S, que contempla a aplicação e distribuição de doses fora do âmbito do PEI (Plano Estadual de Imunização).*

Veja abaixo as 10 primeiras cidades no ranking que mais doses aplicaram sobre o total de vacinas distribuídas no Estado de São Paulo:

1 – Santa Cruz da Conceição

2 – Flora Rica

3 – Pedrinhas Paulista

4 – Ribeirão dos Índios

5 – Mesópolis

6 – Piquerobi

7 – Ouroeste

8 – Cruzalia

9 – Ribeirão Bonito

10 – Duartina

Como explicado em nota técnica no próprio portal, as primeiras cidades do ranking têm percentual de doses aplicadas superior ao número de vacinas distribuídas. Essa variação tem relação com o aproveitamento dos frascos do imunizante. No início da campanha, o frasco da CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, armazenava quantidade pouco maior ao do recipiente usado atualmente.

O Instituto Butantan identificou que, em vez das 10 doses previstas aprovadas na autorização de uso emergencial emitida pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e na bula, do frasco anterior poderiam ser aspiradas 11 ou 12 doses, situação que foi detectada em 92,8% dos lotes. Por isso, o número de doses aplicadas por alguns municípios é maior ao de vacinas distribuídas, levando em conta a média de 10 doses aspiradas por frasco.