Main Slider

Polícia investiga se bebê de um ano foi estuprado antes de morrer


Bebê morava com a mãe em Cotia, mas estava sob tutela do pai desde janeiro; óbito ocorreu na semana passada no Hospital Municipal Antônio Giglio, em Osasco

Óbito ocorreu na semana passada. Foto: Google imagens 



A Polícia Civil de Osasco investiga se um bebê de um ano foi vítima de estupro e maus-tratos antes de morrer no hospital do município. O óbito ocorreu na quinta-feira da semana passada, dia 04/02.

O bebê, que morava em Cotia com a mãe, estava sob a tutela do pai desde o início de janeiro.

Segundo a polícia, consta na documentação médica que as causas prováveis da morte seriam crise convulsiva, desidratação, choque hipovolêmico, maus-tratos, insuficiência renal aguda e parada cardíaca.

Os pais da criança estão separados há três meses. Em depoimento à polícia, a mãe disse que o ex-companheiro se negava a trazer seu filho de volta.

Um dia antes da morte, o pai teria ido à casa dela para dizer que o bebê estava internado, pois teria caído da cama e se machucado.

Ainda na delegacia, a mãe contou que, em conversa com uma assistente social do hospital, foi informada que seu filho poderia ter sido vítima de abuso sexual e que também aparentava sinais de maus-tratos.

Diante da acusação, a polícia determinou que o IML realizasse exame necroscópico e que o encaminhasse ao distrito policial responsável para providências da Justiça.

VERSÃO DO PAI

O pai do menino disse à polícia que no dia 31 de janeiro seu filho teve febre e diarreia, razão pela qual o levou a um pronto-socorro de Cotia. 

Segundo ele, a criança foi medicada e liberada, mas a febre persistiu e, por esse motivo, a levou a uma unidade de saúde de Osasco, de onde foi encaminhada ao hospital do município.

Ainda de acordo com o pai, o bebê estava sob responsabilidade de uma cuidadora, que ganhava R$ 350 para cuidar de seu filho todos os dias.

Após levá-lo ao PS e ter medicado a criança, a cuidadora teria dito ao pai que ele apresentava piora e tinha sangue em suas fezes. Horas depois, segundo o genitor, o bebê apresentou um quadro convulsivo. A criança ficou internada em Osasco em estado grave, mas não resistiu e veio a óbito.