Main Slider

Sem asfalto, estrada em Cotia sofre com alagamentos e moradores denunciam descaso de prefeitura e empresa


Acordo, desde 2018, que prevê a pavimentação da Estrada das Pitas não saiu do papel; representante da empresa responsável pelo empreendimento garantiu que o serviço será realizado “em poucas semanas”; prefeitura não se manifestou 

Chuva desta semana deixou trecho da estrada alagado. Foto: Reprodução


Um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), feito entre a Prefeitura de Cotia e a empresa responsável pelo loteamento Reserva das Pittas, em 2018, prevê a pavimentação da Estrada das Pitas e Estrada das Piteiras, segundo os moradores da região. Mas nenhum serviço foi executado até agora. 

De acordo com os moradores, o TAC determinava que, para aprovar o loteamento, a empreendedora responsável forneceria o material e a prefeitura entraria com a mão de obra. 

O Cotia e Cia solicitou uma cópia do documento para a prefeitura, mas não houve retorno. 

“O meu medo é deles entregarem os lotes a quem comprou e não fazer nada do que foi prometido em compensação ambiental para a região prejudicada”, disse o assistente judiciário, Rodolfo Garcia, morador da região. 

Sem pavimentação, o problema se agravou com os fortes temporais que atingiram a cidade nesta semana. Na terça-feira (12), um morador flagrou, em vídeo, uma pessoa atravessando um trecho da estrada completamente alagado. 

“Eu queria convidar o secretário de Obras [Rodrigo Dantas] e o senhor prefeito [Rogério Franco] pra passar a pé aqui, pra ver se vocês conseguem. Deveriam tomar vergonha na cara em deixar a população nessa situação”, disse durante a filmagem.

Confira o vídeo editado pelo Cotia e Cia abaixo:

A auxiliar administrativa, Gisele Cristina da Silva, também moradora da região, se sente indignada com a situação. Ela disse ao Cotia e Cia que já tentou contato com a Secretaria de Obras do município, mas não conseguiu resposta. Segundo ela, nem os mínimos reparos, que já amenizariam o impacto provocado pelas chuvas, a prefeitura está fazendo. 

“Antes da pandemia, os pais tinham que levar seus filhos nos ombros para a escola. É barro, é lama, não tem como passar. Têm idosos que passam para ir ao médico. Fora os prejuízos que a gente tem com o carro. São vários fatores que atrapalham o nosso direito de ir e vir”, relata. 

PAVIMENTAÇÃO SERÁ REALIZADA EM POUCAS SEMANAS 

A reportagem entrou em contato com Pedro Giorgi Júnior, do Departamento de Legalizações da DGL Urbanismo, empresa proprietária do Loteamento Reserva das Pittas. Ele confirmou que existe o TAC e que o prazo para a execução das obras está previsto para poucas semanas. 

“A gente vai entregar o empreendimento dentro de um mês e meio, e a execução desse serviço já será iniciada.” 

O Diretor Executivo do Grupo DGL Urbanismo, Felipe de Lena, detalhou que o serviço ainda não saiu do papel por exigências da Sabesp. Segundo ele, uma obra de abastecimento realizada pelo Consórcio São Lourenço acabou mudando ‘toda a topografia da região e ficou uma série de problemas pendentes’. 

“A gente está cumprindo uma série de exigências que eles pedem e isso acaba atrasando esse serviço na região. Demorou tempo para aprovar. O próprio Consórcio São Lourenço não está ajudando em nada. Eles participaram das reuniões mas não compareceram mais”, disse. 

Mas Felipe afirma que a população pode ‘ficar tranquila’, pois o serviço já está certo para ser iniciado. 

“A gente tinha combinado que o prazo máximo vai até o dia 10, 15 de fevereiro. Esse TAC foi mais um combinado, pois a empresa não tinha obrigação nenhuma de fazer o asfalto e nem de doar o dinheiro para a prefeitura fazer o asfalto do lado de fora, pois o acesso ao loteamento é por outro lugar”, explicou. “Mas nós vamos fazer pela população e pela região”, concluiu. 

Procurada, a Prefeitura de Cotia não se manifestou até o fechamento desta reportagem. 


Reportagem de Neto Rossi