Main Slider

Leitos do Hospital de Cotia para pacientes com covid-19 estão lotados, alerta enfermeira

Ao Cotia e Cia, a profissional da unidade explicou que os pacientes infectados ficam na ala F, que tem cinco quartos com até cinco leitos. Muitos, segundo ela, estão entubados, pois a UTI do hospital deixou de ser referência ao coronavírus e os pacientes não podem ficar misturados, uns com os outros 

Hospital Regional de Cotia. Foto: Reprodução / Google



Os leitos do Hospital Regional de Cotia (HRC), destinados para pacientes com covid-19, estão lotados, segundo uma enfermeira da unidade, que preferiu falar com o Cotia e Cia em condição de anonimato. De acordo com ela, hoje são cinco quartos na ala F que internam pessoas com sintomas da doença. Cada quarto, disse, tem até cinco leitos, quando o ideal, seriam três, pelo espaço. 

Ainda de acordo com a profissional da unidade, homens e mulheres ficam misturados nesses quartos. Ela também relata que boa parte desses pacientes estão entubados e que a ala F, por mais que faça um atendimento de UTI, não tem toda a estrutura necessária para essa finalidade. 

“A UTI do Hospital de Cotia não é exclusiva para pacientes com covid. No início da pandemia, quando a unidade era referência, a UTI foi reestruturada para apenas atender pessoas com a doença. Como não é mais, e não pode misturar com outras patologias, os pacientes entubados nos quartos da ala F estão com atendimento de UTI, porém, sem uma estrutura de unidade intensiva”, explica. 

O HRC, de fato, foi referência no combate ao coronavírus no início da pandemia. Na época, a UTI passou por uma reestruturação para ficar somente com pessoas infectadas. A própria ala F foi reequipada como UTI 2 e também prestou atendimento para pacientes com covid. Mas o hospital, por motivos não explicados pela Secretaria de Estado da Saúde, deixou de ser referência e passou a atender, novamente, todos os tipos de doença. 

“[Na UTI], os leitos são separados apenas por biombos (cortinas de plástico). Então, não pode colocar pacientes com covid juntos com pacientes com problemas neurológicos, cardiopata, não pode. Ou esvaziam a UTI para receber os pacientes de covid ou eles vão ficar lá embaixo, na ala F”, detalha a enfermeira. 

Segundo ela, na ala F os quartos são divididos por parede, e os pacientes ficam separados uns dos outros. No entanto, a profissional alerta que essa ala era para quem já estava estável, que tinha alta da UTI e se preparava para voltar para casa. Porém, ela faz uma ressalva. 

“Uma parte da ala F já foi UTI 2, no início da pandemia, quando o hospital era referência no combate ao coronavírus. A UTI foi, teoricamente, desfeita, mas ainda existem os leitos, os ventiladores e a equipe multiprofissional. Esses funcionários são preparados para atender esses pacientes mais críticos, pois eles estavam lá quando formou a UTI 2. Mesmo assim, não tem toda a estrutura de uma unidade de terapia intensiva.” 

Único hospital público na cidade 

O Hospital Regional de Cotia, que não é administrado pela prefeitura, e sim pelo governo do estado em parceria com uma organização social, é a única unidade com leitos para internação em casos de covid-19. De acordo com a Prefeitura de Cotia, os pacientes que dão entrada na rede municipal e precisam de internação são encaminhados para vagas via Cross (Central de Regulação de Ofertas de Serviços de Saúde) do Estado. Via de regra, vão para o HRC e depois são transferidos para outros regionais. 

A reportagem enviou questionamentos à prefeitura em relação à lotação dos leitos destinados para pacientes com covid-19 no HRC. Perguntou se o município tem um plano de ação, caso as internações continuem subindo e o hospital fique sobrecarregado. Até o fechamento desta matéria, não tivemos respostas. 

Por sua vez, a Secretaria de Estado da Saúde garantiu que a unidade tem toda a estrutura necessária para acolher pacientes, caso seja necessário ampliar os leitos para coronavírus na região. 

A secretaria informou ao Cotia e Cia que mantém “um esquema especial de gestão de leitos hospitalares, para dar prioridade à internação de pacientes com quadros respiratórios agudos e graves, com suporte da Cross para as transferências.” 

A reportagem indagou a secretaria de estado se existe a possibilidade de o Hospital de Cotia voltar a ser referência no enfrentamento ao coronavírus, levando em consideração os relatos da enfermeira entrevistada. A pasta, no entanto, não retornou com o posicionamento solicitado. 

Boletim epidemiológico 

De acordo com o boletim epidemiológico divulgado nesta quinta-feira (10/12) pela Secretaria Municipal de Saúde, 28 pacientes estão internados com sintomas da covid-19 em Cotia. Os casos confirmados evoluíram para 5.864, 77 a mais nas últimas 24 horas. O município já confirmou a morte de 229 cotianos, sendo as últimas duas de ontem para hoje. 

Também há 127 pessoas em isolamento domiciliar aguardando o resultado do exame. Segundo a secretaria, 5.487 cotianos já se recuperaram da doença desde o início da pandemia. 

Reportagem de Neto Rossi