Main Slider

Governo de SP ativa mais dez leitos de UTI para covid-19 no Hospital de Cotia

Em nota enviada ao Cotia e Cia, Secretaria de Estado da Saúde disse que medida visa o fortalecimento da rede regional e que unidade segue com capacidade para atender a população 

Hospital Regional de Cotia. Foto: Reprodução 



A Secretaria de Estado da Saúde ativou mais dez leitos de UTI para Covid-19 no Hospital Regional de Cotia (HRC), para aumentar a capacidade de internações de terapia intensiva exclusivas para casos graves do coronavírus na unidade. A medida, segundo a secretaria, auxilia no fortalecimento da rede regional, “que segue com capacidade para atender a população”. 

“Ainda assim, se preciso, mais leitos serão direcionados para Covid-19, pois a Secretaria e o Centro de Contingência de coronavírus monitoram ininterruptamente o cenário epidemiológico em todo o território para planejamento de medidas de fortalecimento do SUS, visando salvar vidas e assegurar atendimento igualitário”, disse. 

A nota foi enviada ao Cotia e Cia um dia após reportagem publicada sobre a ocupação total dos leitos do hospital. Segundo uma enfermeira da unidade, hoje são cinco quartos na ala F que internam pessoas com sintomas da doença. Cada quarto, disse ela, tem até cinco leitos, quando o ideal, seriam três, pelo espaço (relembre aqui). 

A Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo ainda reforçou que a ativação dos novos leitos está em consonância com o trabalho realizado desde o início do ano pelo Governo do Estado. Segundo a pasta, a assistência inclui o envio de mais de 1.846 respiradores à região da Grande São Paulo para ativação de leitos de Terapia Intensiva e o repasse de R$ 103 milhões aos municípios da região para fortalecimento da rede assistencial. 

“Vale ressaltar ainda que o Hospital Regional de Cotia segue todos os protocolos sanitários recomendados para prevenção da Covid-19 e trabalha de forma cautelosa para garantir a segurança e atender todos seus pacientes, prezando pela humanização e respeitando seus direitos legais”, concluiu.