Header Ads

Estado anuncia hospital em Cotia para auxiliar demanda do ABC!

Demandas relativas à área da Saúde estiveram na pauta dos prefeitos da região, durante reunião extraordinária no Consórcio Intermunicipal Grande ABC, na tarde desta quinta (2). Um dos principais pleitos, a construção de um hospital de retaguarda em Cotia que ofereça pelo menos 250 leitos de longa permanência, esteve em destaque.

Aos mandatários municipais, o secretário estadual da Saúde, Giovanni Guido Cerri, sugeriu que a unidade destinada a pacientes crônicos seja implantada na sede de um hospital particular localizado em Cotia. Segundo Cerri, a indicação leva em conta, principalmente, a localização adequada a esse tipo de hospital, além da viabilidade financeira do projeto. "O hospital de retaguarda não precisa ser numa região central, pelo contrário, o ideal é que seja num local retirado, mas de fácil acesso. O custo, inclusive, é mais baixo, começando pelo preço do terreno. Além disso, ajudará a desenvolver a região", justificou o secretário.


O integrante do governo Geraldo Alckmin (PSDB) citou o acesso do ABC ao Rodoanel para amenizar a distância até Cotia. "Já estamos avaliando o prédio para, depois, buscarmos um acerto com o proprietário. Depois que essas etapas acontecerem, vamos avaliar o investimento necessário", afirmou. Na expectativa do titular, as tratativas devem avançar de modo que, nos próximos meses, o Estado possa realizar a compra ou desapropriação do local.

Caso a sugestão se concretize, além de moradores do ABC, o hospital de retaguarda irá atender aos demais habitantes da região metropolitana de São Paulo. Não há, entretanto, estudos que apontem qual a porcentagem de pacientes locais que demandarão os serviços da unidade. Na opinião do prefeito de São Bernardo e presidente do Consórcio, Luiz Marinho (PT), a conquista é válida.

No entanto, o atendimento a outras localidades resultando na possibilidade de falta de leitos para os moradores do ABC é uma preocupação. "O importante é ter. Se há um hospital em Cotia que pode oferecer os leitos de retaguarda de que necessitamos, para nós [prefeitos], está de bom tamanho. Se saturar, vamos precisar de outro", pontuou.

Além dos prefeitos do ABC, participaram da reunião no Consórcio os secretários municipais de Saúde e o chefe da pasta de Desenvolvimento Metropolitano do Estado, Edmur Mesquita. Solicitações de recursos financeiros para a conclusão do Hospital de Clínicas de São Bernardo, para a implantação do Hospital de Ribeirão Pires e para o Hospital Radamés Nardini, em Mauá, também estiveram na ordem do dia.


* Repórter Diario
Tecnologia do Blogger.